sol17

Quinze fatos que você provavelmente nunca soube sobre vitamina D e exposição solar

(Compilado por Mike Adams, com base em uma entrevista com o Dr. Michael Holick, drholickautor do livro “Vitamina D – Como um tratamento tão simples pode reverter doenças tão importantes”)

A vitamina D evita a depressão, osteoporose, câncer da próstata, câncer da mama e até mesmo os efeitos do diabetes e da obesidade. A vitamina D talvez seja o nutriente mais subestimado no mundo da nutrição. Isso provavelmente por ela ser “gratuita”: seu corpo a produz quando a luz solar atinge a sua pele. As empresas farmacêuticas não podem lhe vender a luz solar, por isso não há promoção dos seus benefícios à saúde.
A maioria das pessoas não sabe destes fatos verdadeiros sobre a vitamina D:

  1. A vitamina D é produzida pela pele em resposta à exposição e radiação ultravioleta da luz solar natural.
  2. Os saudáveis raios de luz solar natural que geram a vitamina D em sua pele não atravessam o vidro e, por isto, seu organismo não produz vitamina D quando você esta no carro, escritório ou em sua casa.
  3. É quase impossível conseguir quantidades adequadas de vitamina D a partir da dieta. A exposição à luz solar é a única maneira confiável para seu corpo dispor de vitamina D.
  4. Seria necessária a ingestão diária de dez copos grandes de leite enriquecido com vitamina D para obter os níveis mínimos necessários de vitamina D.
  5. Quanto maior a distância da linha do equador e o lugar onde você vive, maior será a exposição ao sol necessária para gerar vitamina D, pois depende do ângulo de incidência dos raios solares. Canadá, Reino Unido, a maior parte dos EUA estão longe do equador e maior parte do Brasil está perto do equador.
  6. Pessoas com a pigmentação escura da pele podem precisar de 20 a 30 vezes mais exposição à luz solar do que pessoas de pele clara para gerar a mesma quantidade de vitamina D. Por isto, também, o câncer de próstata é muito frequente entre homens negros – é a simples deficiência generalizada de luz solar.
  7. Níveis suficientes de vitamina D são essenciais para a absorção de cálcio nos intestinos. Sem vitamina D suficiente, seu corpo não pode absorver o cálcio, tornando os suplementos de cálcio inúteis.
  8. A deficiência crônica de vitamina D não pode ser revertida rapidamente. São necessários meses de suplementação de vitamina D e de exposição à luz solar para “reconstruir” os ossos e o sistema nervoso.
  9. Mesmo filtros solares fracos (FPS = 8) bloqueiam em 95% a capacidade do seu corpo de gerar vitamina D. É por isto que o uso constante de protetores solares provoca deficiência crítica de vitamina D.
  10.  A exposição à luz solar não gera a produção excessiva de vitamina D em seu corpo, porque ele se auto-regula e produz apenas a quantidade que necessita.
  11. Se a pressão firme do seu osso esterno dói, você pode estar sofrendo de deficiência crônica de vitamina D.
  12. A vitamina D é “ativada” pelos rins e fígado, antes de ser usada pelo organismo e, por isto, doenças renais ou hepáticas podem prejudicar muito a ativação da vitamina D circulante.
  13.  A indústria de protetores solares não quer que você saiba da necessidade de exposição ao sol, porque esta revelação significaria a queda nas vendas de seus produtos.
  14.  A vitamina D é um poderoso “remédio” que o seu próprio corpo produz inteiramente de graça e sem necessidade de prescrição médica!
  15. Algumas substâncias denominadas “antioxidantes” aceleram muito a capacidade do organismo para lidar com luz solar, sem que ela nos provoque danos, também permitem que você fique exposto ao sol duas vezes mais tempo sem danos. Um exemplo de tais antioxidantes é a astaxantina, poderoso “filtro solar interno”. Outras fontes de antioxidantes similares são algumas frutas (açaí, romã, mirtilo, etc.), algumas algas e alguns crustáceos do mar (camarão, “krill”, etc.)

Doenças e condições causadas pela deficiência de vitamina D:

  • A osteoporose é geralmente causada pela falta de vitamina D que provoca deficiência na absorção de cálcio.
  • A deficiência de vitamina D na infância causa o raquitismo, falta de calcificação dos ossos.
  • A deficiência de vitamina D pode agravar o diabetes tipo 2 e prejudicar a produção de insulina pelo pâncreas.
  • Bebês que recebem suplementação de vitamina D (2.000 unidades por dia) tiveram um risco 80% menor de desenvolver diabetes tipo 1 durante os próximos vinte anos.
  • A obesidade prejudica a utilização da vitamina D no organismo e obesos precisam de duas vezes mais vitamina D.
  • A depressão, a esquizofrenia e os cânceres de próstata, de mama ovário e de cólon são frequentes em pessoas com deficiência de vitamina D. Portanto, níveis normais de vitamina D previnem estas doenças.
  • O risco de desenvolver doenças graves como diabetes e câncer é reduzido de 50% a 80% através da exposição simples, à luz solar natural 2 a 3 vezes por semana.
  • A depressão sazonal de inverno, muito comum nos países de clima temperado, é causada por um desequilíbrio da melatonina, devido à menor exposição ao sol.
  •  A vitamina D é utilizada no tratamento da psoríase, doença inflamatória crônica da pele.
  • Deficiência crônica de vitamina D é muitas vezes diagnosticada erradamente como fibromialgia, porque seus sintomas são muito semelhantes: fraqueza muscular e dores.

Estatísticas chocantes da deficiência de vitamina D:

40% da população dos EUA,
32% dos médicos e estudantes de medicina,
42% das mulheres afro-americanas em idade fértil,
48% das meninas de 9 a 11 anos,
até 60% dos pacientes de hospitais,
até 80% dos pacientes do lar de idosos,
76% das mulheres grávidas e
81% das crianças delas nascidas, as quais terão, mais tarde na vida, maior predisposição ao diabete tipo 1, à artrite, à esclerose múltipla e à esquizofrenia.

O que você pode fazer:

A exposição sensata à luz solar natural é a estratégia mais simples, mais fácil e ainda uma das mais importantes para melhorar a saúde. Se mais pessoas lessem estas informações, poderíamos reduzir drasticamente as taxas de várias doenças crônicas. Incito-os que leiam o livro, “Vitamina D – Como um tratamento tão simples pode reverter doenças tão importantes“, pelo Dr. Michael Holick, para obter a história completa sobre a luz solar natural. Você pode encontrar este livro na maioria das livrarias locais ou através da BN.com, Amazon.com, etc. Nota: Este não é um endosso pago ou um link de afiliado. Eu recomendo por causa de sua grande importância na prevenção de doenças crônicas e melhoria da saúde, sem medicamentos ou cirurgias. Este pode ser o livro mais importante sobre saúde que você já leu. Se mais pessoas compreendessem estas informações poderia-se reduzir drasticamente as taxas de doenças crônicas no país e no mundo. A exposição à luz solar é realmente uma das terapias de cura mais poderosas do mundo, superando de longe os melhores esforços de hoje, a chamada “medicina avançada”. Não há nenhuma droga, nenhum procedimento cirúrgico e nenhum procedimento de alta tecnologia que chegou sequer perto do surpreendente poder de cura da luz natural.

E você pode obtê-la gratuitamente. É por isso que ninguém está a promovê-la, é claro.

Fonte original com texto completo:http://www.naturalnews.com/specialreports/sunlight.pdf (autor da tradução desconhecido).

vitaminadbrasil.org

1016746_305623966241530_1417603559_n

A HISTÓRIA DAS COISAS capitalismo, consumismo e meio ambiente

A história das coisas completo dublado em portugues explica o funcionamento do capitalismo e como as Corporações manipulam governos e pessoas para consumirem cada vez mais.
A historia das coisas revela a ideologia por trás do consumismo e a causa das grandes diferenças sociais.
A história das coisas mostra também o porquê da nossa sociedade produzir tanto lixo e destruir o meio ambiente.

 

 

hipnose-e-usada-para-tratar-de-doencas-a-problemas-emocionais-1280258563005_200x285

Hipnose é usada para tratar de doenças a problemas emocionais

  • A imagem mística da hipnose mudou com o trabalho do psiquiatra norte-americano Milton Erickson, no final da década de 1950

    Quando o assunto é hipnose, a imagem que vem à mente da maior parte das pessoas é a de um mágico – ou a figura de algum sujeito com pinta de charlatão – balançando um relógio na frente de uma “vítima”, que, em um estado alterado da consciência, revela coisas que não contaria se as perguntas fossem feitas de outro modo. Nada mais antiquado ou preconceituoso do que tal quadro. Hoje, a técnica serve para aliviar dores do corpo, da mente e da alma. A hipnose passou por grandes transformações desde a sua popularização por Jean-Martin Charcot e Sigmund Freud, no final do século 19 e início do século 20. A hipnose moderna é muito diferente da hipnose de palco, que atua numa relação de poder entre médico e paciente, e não envolve pêndulos nem uma atmosfera de mistério.

A imagem mística mudou com o trabalho desenvolvido pelo psiquiatra norte-americano Milton Erickson, no final da década de 1950. Erickson passou a associar a hipnose às psicoterapias de forma bastante diferente da utilizada até então e criou uma forma inovadora de abordagem, por intermédio de seminários didáticos. “A hipnose moderna, também chamada de ericksoniana, é uma ferramenta principalmente linguística, uma forma ampliada de comunicação. Um médico pode usar linguagem hipnótica para conquistar um resultado mais eficaz com um paciente. Mas a hipnose também é utilizada por outros profissionais em diferentes contextos, como advogados, professores ou vendedores”, comenta Alexandre Bortoletto, instrutor da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (SBPNL). “Infelizmente, ainda há muito preconceito porque as pessoas associam hipnose a uma espécie de show de mágica em que a plateia é induzida a fazer o que não quer, como comer uma cebola achando que é uma maçã ou cacarejar como uma galinha e, em seguida, não se lembrar de nada disso”, diz o especialista.

Existem pessoas que são muito mais propensas a entrar no estado hipnótico do que outras. “Eticamente, é triste ver a hipnose ser tratada como uma diversão, porque neste estado a pessoa fica muito vulnerável ao que é dito a ela e isso pode deixar uma marca no inconsciente que não necessariamente é positiva ou adequada, mas passa despercebida neste contexto. Acho que mais do que preconceito, existe falta de conhecimento”, ressalta Luciane Lopes Gerodetti, psicóloga com especialização em hipnose pelo Instituto Milton Erickson, de São Paulo, e em Eye Movement Desensitization and Reprocessing (EMDR), um tipo de psicoterapia para tratamento de estresse pós-traumático, pelo EMDR Institute, dos Estados Unidos.

Transe hipnótico

O transe hipnótico nada mais é que um estado alterado de consciência. Entramos em transe várias vezes por dia. Sabe quando dirigimos até determinado local e, ao chegar lá, não lembramos que caminho fizemos? Ou quando estamos ouvindo música, o CD acaba e só percebemos o silêncio vários minutos depois? Se você está lendo essa entrevista e não percebe os ruídos à sua volta, está em transe nesse momento.

As indicações e atuações são amplas. Felizmente, a comunidade médica vem fazendo uso e indicando para as diferentes questões físicas. Para amenizar dores de forma geral, por exemplo. Antes, claro, deve-se ter um diagnóstico médico para saber sua causa. A partir disso, a dor pode ser minimizada ou eliminada com a hipnose. “Para pacientes com câncer, há minimização de efeitos colaterais da quimioterapia. Doenças autoimunes, como vitiligo, psoríase e artrite, e somatizações, como gastrite nervosa e síndrome do cólon irritável, também obtêm bons resultados”, garante o psicólogo clínico e especialista em hipnose Odair José Comin, diretor da Delphos Clínica de Psicologia e Hipnose, de São Paulo.

Luiz Carlos Crozera, psicoterapeuta e diretor do Instituto Brasileiro de Hipnologia e da Sociedade Iberoamericana de Hipnose Condicionativa, ambos em Jaú (SP), diz que estudos indicam que 90% das doenças surgem primeiro na mente. “Se a mente cria, a mente cura. E a única forma de chegar até os registros mentais é por meio da hipnose”, afirma.

Para Leonard F. Verea, fundador da Sociedade Brasileira de Hipnose Clínica e Dinâmica e diretor do Instituto Verea, de São Paulo, a hipnose funciona como uma espécie de “atalho” para a resolução dos mais diversos males, sobretudo as dores crônicas e as doenças que podem ter fundo emocional – obesidade, anorexia, bulimia, enxaqueca, fobias diversas e insônia. “Além disso, auxilia pessoas com dificuldades de aprendizagem, indivíduos que sofrem de distúrbios sexuais, obesos e dependentes de drogas e álcool”, enumera.“

A hipnose é usada também com sucesso em maternidades europeias e americanas para ajudar no relaxamento durante o parto. A secretária-executiva Débora*, de 31 anos, de São Paulo, buscou o método como coadjuvante para um tratamento antiobesidade. “Com a hipnose, pude perceber que extrapolava nos doces quando me sentia tensa e ansiosa ou encerrava alguma tarefa chata ou estafante”, conta. “A técnica foi fundamental para que o meu tratamento fosse bem sucedido.”

Emoções

A HIPNOSE TRATA TAMBÉM:1

  • Fobias (inclusive a social)
  • Mania de roer as unhas e de chupar o dedo
  • Timidez e medo de falar em público
  • Estresse pós-traumático e ansiedade
  • Distúrbios do sono, gagueira, enxaqueca e impotência

De acordo com o psicólogo João Batista de Oliveira Filho, diretor do Instituto de Psicologia Crescer, do Rio de Janeiro, diversas doenças podem ter sua cura intensificada pela hipnose se ela for utilizada junto com o tratamento médico e psicológico. “Isso acontece porque os sintomas são minimizados”, afirma ele, que está escrevendo uma tese de mestrado sobre hipnose e emagrecimento. A hipnose também vem sendo usada por dentistas para diminuir a ansiedade e aumentar a sedação. “Sempre que preciso trabalhar uma crença em nível mais profundo e com menos resistência do paciente, lanço mão da hipnose”, conta a psicóloga Luciane Lopes Gerodetti. “A hipnose permite que o sujeito fique mais receptivo a novas percepções sobre algo em sua vida, o que permite que ele reprocesse algumas questões pessoais com mais facilidade e rapidez, de maneira mais sadia e positiva. Também é uma técnica útil para buscar memórias que podem explicar e ajudar a resolver problemas atuais”, afirma.

É por isso que até emoções como inveja, ciúme e raiva podem ser trabalhadas por meio do método. “A hipnose moderna promove um alinhamento, um equilíbrio entre o consciente e o inconsciente, ou seja, aquilo que pensamos (e sabemos que pensamos) e o que acontece quando estamos ‘no automático’. Algumas emoções, como raiva, medo e ciúme, já estão tão condicionadas em nosso comportamento que, quando percebemos, já estamos imersos nelas: tomamos uma atitude sem pensar se ela é a mais adequada à ocasião. Com a hipnose é possível atingir o equilíbrio emocional tomando consciência dessas emoções para, assim, ter controle sobre elas e escolher usá-las quando for realmente necessário”, explica Alexandre Bortoletto. “Com a hipnose é possível modificar a forma de pensar e, na medida em que isso acontece, mudará também o sentimento atrelado a esse pensamento. Durante o transe, damos sugestões, munindo o paciente com novos conteúdos, para que ele possa se autoconhecer, ressignificar e se conduzir para uma forma saudável de pensar e sentir”, completa o psicólogo Odair José Comin.

Estresse

O maior mal da civilização moderna – o estresse – também pode ser transformado. Há o estresse positivo, aquele que motiva, que nos faz proativos; e o ruim, patológico, que faz mal. Por meio da hipnose, é possível equilibrar os dois tipos. No tratamento com hipnoterapia, é importante a conscientização do ambiente que rodeia o paciente, identificando quais são os fatores estressantes. O trabalho pode iniciar com um relaxamento, pois normalmente existem tensão e ansiedade envolvidas, e por isso relaxar é imprescindível. A partir daí, começa-se um tratamento mais efetivo de mudança de hábitos, mudança de resposta aos diferentes estímulos externos e internos. Há a percepção da possibilidade de uma melhor qualidade de vida, pois o método traz para o dia a dia do paciente um equilíbrio entre vida pessoal e profissional, entre atividade e inatividade, trabalho e descanso.

E desde que a pessoa esteja disposta a mudar, a hipnose pode ajudar a curar transtornos obsessivos compulsivos (TOCs) e tabagismo. “As obsessões são pensamentos ou imagens que aparecem de forma repetida e persistentemente. Causam dor e sofrimento intenso, pois o indivíduo não consegue ter controle. A compulsão vem do ato, ou seja, na medida em que se tem um pensamento repetitivo de que as mãos estão sujas (obsessão), lava-se várias vezes ao dia (compulsão)”, explica Odair. Com a hipnose, é possível ressignificar aprendizagens passadas, mudando a forma de pensar, e descobrir em que momento teve início e por que aconteceu. “Fazemos o paciente perceber que já não existe mais a necessidade da compulsão, e que ele pode ter o controle de seus pensamentos, além de ensiná-lo aprendizagens no presente que possibilitarão a mudança, com liberdade de pensamento e ação no futuro.

Já o cigarro causa dependência tanto física quanto psíquica, por isso o tratamento deve levar em conta esses dois aspectos, além de descobrir as razões de a pessoa fumar e, da mesma forma, o que a motiva a parar. “Já havia tentado parar de fumar cinco vezes, até que li em uma revista sobre o uso da hipnose para essa finalidade. Não é que deu certo? É claro que tive força de vontade, mas com a hipnose notei que usava o cigarro como uma muleta social, para me sentir desinibida. Recomendo”, atesta a professora carioca Cláudia Pereira, de 33 anos.
HELOÍSA NORONHA
Colaboração para o UOL

TruthWater

IMPRESSIONANTE EXPERIMENTO MOSTRA QUE PENSAMENTOS POSITIVOS OU NEGATIVOS DE FATO INFLUENCIAM NA NOSSA VIDA

Já alguma vez pensou em como os seus pensamentos, palavras ou a sua energia positiva ou negativa podem influenciar fisicamente o ambiente ao redor? Um pesquisador e cientista japonês,Masaru Emoto, quis provar o poder da mente humana e fez uns experimentos que não deixam dúvidas.

Um dos que mais está dando que falar é o experimento do arroz: Emoto colocou três porções de arroz cozido em frascos de vidro separados. Em um deles, o cientista escreveu “Thank You, I Love You” (“Obrigado, Eu Te Amo”), em outro “I Hate You, You Fool” (“Eu Te Odeio, Seu Idiota”, em tradução livre), e o terceiro foi totalmente ignorado. Durante 30 dias, ele pediu aos alunos que gritassem pra cada um dos frascos o que estava escrito neles. No final desse tempo, o arroz do frasco com o pensamento positivo tinha começado a fermentar, largando um aroma agradável; o segundo, estava praticamente todo preto; e o frasco ignorado era um acúmulo de bolor, caminhando pra decomposição.

 

 

RiceExperiment

interna1

Nota: as imagens utilizadas são meramente ilustrativas e não são as dos frascos utilizados no experimento original.

“A mensagem da água” é o nome de outro conjunto de pesquisas feita pelo cientista, no qual ele submeteu moléculas de água a diferentes sentimentos humanos, pensamentos e até músicas. Através de equipamentos especiais para o efeito, ele fotografou depois os cristais de água e a verdade é que cada um apresentava formas diferentes (desde os mais cristalinas aos mais turvos), conforme os pensamentos associados. Se pensarmos que o nosso corpo é constituído por, pelo menos, 60% de água, dá que pensar, certo?

Veja alguns dos resultados.

Água exposta a uma música do estilo Heavy Metal:

HeavyMetalWater

 

Água exposta à música Imagine, de John Lennon:

ImagineWater

 

Água exposta à Sinfonia No.40, de Mozart:

MozartWater

 

Água exposta à palavra Verdade:

TruthWater

 

Água exposta à expressão “Você me enoja”:

DisgustingWater

 

Água exposta à palavra Sabedoria:

WisdomWater

 

Água exposta à palavra Obrigado:

ObrigadoWater

 

Água exposta à palavra Eterno:

EternalWater

 

Água exposta à palavra Mal:

EvilWater

 

Água exposta às palavras Amor e Gratidão:

AmorGratidãoWater

 

Ainda que membros da comunidade científica questionem alguns métodos do japonês, parece haver uma relação clara entre as duas coisas – a sua energia, o seu pensamento, positivo ou negativo, e o ambiente ao seu redor.

Se você se interessou pelo tema e quer saber mais, aconselhamos o documentário, de 2004, que causou grande polêmica e lançou o debate sobre estas questões. Se chama What The BLEEP Do We Know? (“Quem Somos Nós?”, na versão portuguesa) e está, completo e dublado, abaixo.

A pergunta então é: ainda acha que vale a pena ficar chateado ou frustrado com coisas pequenas?

O Segredo

images (1)

VOCÊ CRIA TUDO O QUE LHE ACONTECE

Você sabia que a ciência moderna, até hoje, ainda não conseguiu provar que o mundo material é real? Sabia que qualquer neurologista pode garantir que não existe nenhuma prova no cérebro de que o mundo exterior realmente existe? (aliás, muito pelo contrário, existem alguns indícios de que ele não é uma realidade?).

O cérebro, na verdade, recebe uma série de estímulos químicos, de temperatura, de consumo de oxigênio, além de impulsos nervosos. Mas, como você já deve ter notado, o seu cérebro não fica o tempo todo lhe passando informações sobre esse tipo de coisa. O que ele lhe passa é o chamado “mundo material”, ou o mundo que percebemos com os cinco sentidos: imagens, sons, cheiros e texturas.

Não existe nenhuma comprovação da ligação entre essas imagens, sons, cheiros e texturas, ou seja, da nossa percepção subjetiva do mundo exterior, com os dados brutos que o cérebro recebe.

O seu mundo está todinho dentro de você.

Vou usar um exemplo do Deepak Chopra. Se uma pessoa que você ama te telefona de outro país, você aceita como certa a ideia de que ela está longe, mas o som da voz dela ocorre como uma sensação no seu cérebro. Se a mesma pessoa estiver na porta da sua casa, a voz continuará ocorrendo como uma sensação na mesma parte do seu cérebro. E mesmo depois que a pessoa for embora – mesmo depois que ela morrer – essa voz poderá permanecer dentro de você. Nessa mesma parte do seu cérebro.

Esse mesmo fenômeno acontece quando você come o seu prato preferido (e só de lembrar dele agora talvez você tenha até salivado um pouquinho, como se ele estivesse à sua frente), toca no seu bichinho de estimação, ou ouve aquela música que te emociona. Essas experiências, assim como todas as outras no universo, estão sendo fabricadas dentro de você.

Isso tudo significa que a sua realidade é um reflexo de você mesmo. Porque a sua realidade é, na verdade, a sua percepção da realidade.

Jean-Paul-Sartre disse que “o inferno são os outros”. Ele não podia estar mais errado. O inferno, o paraíso, ou seja lá o que você estiver vivendo na sua vida hoje, não tem absolutamente nada a ver com os outros, mas sim com você mesmo. Com a sua percepção.

Assuma a responsabilidade pela sua realidade em vez de colocá-la na mão dos outros e, imediatamente, você terá todo o controle sobre a sua vida.

 

Fonte: Escrito por Paula Abreu via Escolha Sua Vida

O Segredo

14165-MLB3203094536_092012-O

LIÇÃO DA ABELHA, SOBRE O DESAPEGO

“As abelhas nos dão um grande exemplo de DESAPEGO.

Após construírem a colmeia, elas abandonam-na.

E não a deixam morta, em ruínas, mas viva e repleta de alimento.

Todo mel que fabricaram além do que necessitavam é deixado. Batem asas para a próxima morada sem olhar para trás.

Num ato incomum, abandonam tudo o que levaram a vida para construir.

Simplesmente, o soltam sem preocupação se vai para outro.

Deixam o melhor que têm, seja pra quem for – o que é muito diferente de doar o que não tem valor ou dirigir a doação para alguém de nossa preferência.

Se queremos ser livres, parar de sofrer pelo que temos e pelo que não temos, devemos abrigar um único desejo: o de nos transformar. Assim, quando alguém ou algo tem de sair de nossa vida, não alimentamos a ilusão da perda.

O sofrimento vem da fixação a algo ou a alguém.

O apego embaça o que deveria estar claro: por trás de uma pretensa perda está o ensinamento de que algo melhor para nosso crescimento precisa entrar.

Se não abrirmos mão do velho, como pode haver espaço para o novo?”

Autor desconhecido

 

satisfações-interno

15 SATISFAÇÕES QUE VOCÊ NÃO DEVE

Muitas de nossas escolhas e comportamentos estão sujeitos a levantar questionamentos e comentários por parte das pessoas que estão ao nosso redor. Família, amigos ou até mesmo estranhos emitem opiniões o tempo todo. Alguns são bem intencionadas, outros nem tanto.

Às vezes as pessoas vão tão longe a ponto de pedir explicações sobre decisões ou escolhas que você teve com relação a sua própria vida e que não lhes diz respeito em praticamente nada. Você, entretanto, pode se sentir na obrigação de responder simplesmente porque está acostumado a dar satisfações ou a deixar que pessoas decidam sobre coisas que, na verdade, devem ser decisões suas.

 

1. Você não deve qualquer explicação para sua situação de vida.

Se você mora com seu ex-namorado ou ex-namorada, se mora em um hotel ou se vive com seus pais mesmo tendo mais de 20 anos, você não precisa explicar isso para ninguém. Nesse caso, às únicas satisfações que deve são para as pessoas com quem divide despesas ou à quem dá despesas.

 

2. Você não deve qualquer explicação para as suas prioridades de vida.

Você tem suas próprias ideias sobre as coisas que fazem você e seus entes queridos verdadeiramente confortáveis e felizes e essa deve ser a sua principal prioridade. Somos seres únicos e nossas escolhas devem ser influenciadas pelo que nos afeta direta e intimamente e não pelo que vem de fora.

 

3. Você não deve qualquer pedido de desculpas, se você não está arrependido.

Se você não se arrependeu de alguma de suas ações, se ainda acha que alguém está errado sobre alguma coisa ou não se importa muito com o seu pedido de perdão, você não tem que se desculpar. Muitas pessoas são muito rápidas em oferecer desculpas e tentar consertar feridas que ainda não estão prontas para serem reparadas, o que só serve para agravar a dor e trazer mais problemas. Você realmente não tem que pedir desculpas se você não está arrependido ou se o seu lado da história não foi ouvido.

 

4. Você não deve explicação a ninguém pelo tempo que passa sozinho.

Você costuma se preocupar em ser julgado como “rude,” “anti-social” ou “indiferente” quando você cancela planos ou outras obrigações simplesmente porque você precisa de um tempo sozinho para reiniciar, relaxar ou simplesmente desfrutar de um bom livro? No entanto, passar um tempo só é uma prática absolutamente normal, natural e necessária. Gaste o seu tempo sozinho com confiança, porque você não deve a ninguém uma explicação para isso.

 

5. Você não deve a ninguém explicações sobre suas crenças pessoais.

Só porque alguém compartilha suas crenças pessoais apaixonadamente com você não significa que você tem que sentar lá e acenar com a cabeça em aprovação a tudo o que eles dizem. Se você não compartilha com suas crenças, é injusto para si mesmo e para a outra pessoa que você suprima os seus próprios pensamentos e sentimentos e finja que está de concordo com eles. Está tudo bem e é melhor parar e discordar deles graciosamente em vez de se tornar uma “bomba relógio” de desaprovação e frustrações.

 

6. Você não deve a ninguém um sim a tudo o que dizem.

Você tem o direito de dizer não quando não há nenhuma razão para dizer sim. Na verdade, as pessoas mais bem sucedidas do mundo são aqueles que têm dominado a arte de dizer não a tudo o que não é uma prioridade. Reconheça a bondade de outras pessoas e seja grato por isso, mas não tenha medo de recusar educadamente qualquer coisa que leva o seu foco de seus objetivos e prioridades fundamentais. É assim que você cresce.

 

7. Você não deve qualquer explicação sobre a sua aparência física.

Você pode ser magro, gordo, alto, baixo, bonita, simples ou qualquer outra coisa, mas você não tem que se explicar para ninguém sobre isso. Sua aparência física é o seu próprio negócio e você deve satisfações sobre isso apenas a si mesmo. A aparência física não deve determinar a sua autoestima.

 

8. Você não deve qualquer explicação para as suas preferências alimentares.

Existem certos alimentos que você simplesmente não gosta ou opta por não comer por diversos motivos. Você não tem de explicar a quem quer que seja o motivo de você não ingeri-los. Sua preferência alimentar é um assunto que é melhor deixar para você mesmo. Se alguém importuná-lo sobre por que você está comendo (ou não) determinados alimentos, encolha os ombros e diga que você se sente melhor comendo (ou não comendo) esses alimentos. Nada mais.

9. Você não deve qualquer explicação para a sua vida sexual.

Se as suas relações acontecem com outro adulto e de forma consentida, você não deve explicação a ninguém sobre onde, quando e como você conduz sua vida sexual. Você pode querer esperar pelo casamento, passar apenas uma noite com uma pessoa ou ter experiências com o mesmo sexo. As decisões são suas, assim como as consequências delas.

 

10. Você não deve qualquer explicação para a sua carreira ou opções de vida pessoal.

Às vezes as circunstâncias nos obrigam a escolher entre o trabalho e “ter uma vida.” A decisão nem sempre é fácil e você pode acabar escolhendo o trabalho, não porque você não se preocupa com a sua família ou vida social, mas porque você está trabalhando em algo que vai lhe dar segurança no futuro. De qualquer maneira, você não deve a ninguém que não esteja diretamente influenciado por sua decisão qualquer explicação.

 

11. Você não deve qualquer explicação sobre as suas opiniões políticas ou religiosas.

Se você é um democrata, republicano, católico, protestante ou muçulmano, isso é uma escolha pessoal. Se alguém não pode aceitá-lo pelo que você é, provavelmente não é seu amigo.

 

12. Você não deve explicação a ninguém para ser único.

 

Se você não se encaixa em algum padrão social, isso não é dá conta de ninguém. Ser solteiro, por exemplo, não é nenhum transtorno de personalidade. Você é livre para estar em um relacionamento ou não. Além disso, você é muito mais do que o seu status de relacionamento. O importante é que você se sinta bem com suas escolhas.

 

13. Você não deve ir a um encontro só porque a outra pessoa quer.

As pessoas podem ser agradáveis, ter boa aparência e você pode até estar um pouco interessado, mas você não deve a elas um encontro só porque elas pedem. Se você sentir que, no fundo, não quer ir à algum lugar ou ocasião, não vá.

14. Você não deve qualquer explicação para a sua decisão sobre o casamento.

Se vai ou não optar por se casar e ter filhos ou ficar solteira e ser “livre de crianças”, isso é uma decisão pessoal. Mesmo a sua mãe que está morrendo para ter os netos deve entender que o casamento é uma decisão pessoal e pode não ser adequado para todos. Ela deve respeitar a sua decisão sobre o assunto, não importa o quão difícil seja.

 

15. Você não deve qualquer explicação para as suas escolhas de relacionamento.

Às vezes as pessoas fazem comentários inapropriados sobre o seu relacionamento romântico. Você pode ouvir comentários como vocês não formam um “casal perfeito”, ou você deve encontrar alguém e não ficar só. Viva a sua vida e nunca, nunca saia ou fique em um relacionamento só porque alguém diz que você precisa. Cometa seus próprios erros, se for o caso, mas aprenda sempre com eles.

 

Do original traduzido e adaptado: Life Hack

Josie Conti  Via: CONTI Outra Artes e Afins – contioutra.com

O segredo

 

egypt-cat

A ciência prova: gatos são terapeutas holísticos

tumblr_ncvcnydqIX1s4u5dyo1_500Estudos científicos têm demonstrado que os gatos são mais do que bons amigos e animais de estimação. Eles são verdadeiros terapeutas e podem ser uma ótima opção para pessoas que sofrem de doenças, principalmente cardíacas.

Você sabia que possuir um gato pode reduzir o risco de ataque cardíaco? Essa descoberta foi resultado de um estudo com cerca de 4.000 americanos por pesquisadores da Universidade de Minnesota. Depois de 10 anos de pesquisa, os donos de gatos apresentaram um risco de 30% a menos de sofrer ataque cardíaco, em comparação com aqueles que não possuem gato.

Em um outro estudo recente, a Dra. Karen Allen, uma pesquisadora da Universidade Estadual de Nova York, descobriu que corretores com hipertensão que adotaram um gato, tiveram menores leituras de pressão arterial em situações estressantes do que aqueles que não possuem o animal de estimação. No início do estudo, os corretores foram prescritos com o remédio anti-hipertensivo Lisinopril. Metade dos participantes foram selecionados aleatoriamente para obter um cão ou gato como animal de estimação. Seis meses depois, Allen e seus colegas realizaram testes com os participantes para medir alterações na pressão arterial. Eles descobriram que a pressão arterial induzida pelo estresse continuou a subir nos corretores sem animais de estimação. Os corretores com animais também tiveram aumentos na pressão arterial, mas de apenas metade se comparado com o outro grupo.

Nessa pesquisa, que foi publicada no site da Univesidade de Buffalo e apresentada à Associação Americana do Coração, concluíram que os gatos controlam a pressão arterial melhor do que os medicamentos inibidores da enzima conversora da angiotensina (também chamados de inibidores da ECA), que ajudam a relaxar os vasos sanguíneos. Sendo assim eles são, literalmente, mais eficazes na regulação dos níveis de pressão arterial do que a medicina moderna.

Cura Psicológica
Além de melhoria na saúde do coração, os gatos também auxiliam na produção de oxitocina no cérebro. Em um estudo publicado na revista Frontiers of Psychology, pesquisadores concluíram que os gatos, por causa do impacto que têm sobre os nossos níveis de oxitocina, são capazes de reduzir a agressão, aumentar a empatia, aprimorar a aprendizagem e produzir um aumento da confiabilidade em outras pessoas. A oxitocina é um hormônio produzido no hipotálamo, conhecido como hormônio do amor. Quando isso acontece, os níveis de cortisol (hormônio do stress) diminuem, promovendo uma sensação de bem estar físico e emocional, deixando corpo e mente em harmonia, fortalecendo o sistema imunológico, dentre outros benefícios.

O Ronronar dos Felinos
Alguns especialistas vão ainda mais longe e afirmam que o ronronar dos gatos pode curar graças às vibrações e sons graves que produz. De acordo com um artigo publicado na revista Scientific American, os gatos ronronam com um padrão consistente de frequência entre 25 e 150 hertz. Cientistas demonstraram que os felinos produzem o ronronar através de movimentos intermitentes da laringe e dos músculos do diafragma, e concluíram que as frequências de som nesse intervalo podem melhorar a densidade óssea e promover a cura de células. Os pesquisadores afirmam que, como o gato conserva energia através de longos períodos de descanso e sono, é possível que o ronronar seja um mecanismo que estimula músculos e ossos sem gastar muita energia. A resistência desses animais tem facilitado a noção de que possuem “sete vidas” e o ronrom pode fornecer uma base para essa mitologia felina.

Embora seja tentador afirmar que os felinos ronronam porque estão felizes, é mais plausível que o ronronar seja um meio de comunicação e uma fonte potencial de auto-cura. Esta descoberta pode fornecer ajuda para a medicina moderna, contribuindo para o tratamento de osteoporose e atrofia muscular.

Na mitologia egípcia, Bastet é uma divindade solar e deusa da fertilidade, além de protetora das mulheres.

Apesar das diversas pesquisas atuais, os dons do gato não eram segredo para os nossos ancestrais, principalmente para os antigos egípcios, que os tratavam como deuses. Eles eram adorados, sendo muitas vezes retratados em hieróglifos repletos de jóias. Além disso, naquela época matar um gato mesmo por acidente, era considerado um ato criminoso punível com a morte.

Os gatos podem não serem deuses, mas temos evidências suficientes com relação aos seus poderes de cura e podemos concluir que eles são verdadeiros terapeutas holísticos. Com estas novas descobertas, não existem dúvidas quanto à sua influência positiva na saúde dos seres humanos.

Não deixe de assistir o vídeo abaixo (em inglês), trata-se de uma experiência com os felinos e sua capacidade de nos transmitir momentos de alegria e serenidade sendo ótimos companheiros.

Terapia dos gatos: a prescrição para o estresse!

 

 

 

(Texto de Steven Bancarz | Traduzido e adaptado por Despertar Coletivo | Via: Spirit Science and Metaphysics)

11095469

Evidências indicam que a meditação fortalece o cérebro

Pesquisadores americanos descobriram mais evidências de que meditar fortalece o cérebro.
Estudos anteriores feitos pela Universidade da Califórnia (UCLA), nos Estados Unidos, já haviam sugerido que meditar durante anos torna o cérebro mais espesso e fortalece conexões entre células cerebrais.

As novas pesquisas feitas pela mesma equipe californiana revelaram ainda mais benefícios associados à prática. Os resultados foram publicados pela revista Frontiers in Human Neuroscience.

O cientista Eileen Luders e seus colegas do Laboratory of Neuro Imaging da UCLA dizem ter encontrado indícios de que pessoas que meditam durante muitos anos têm quantidades maiores de dobras no córtex cerebral do que pessoas que não meditam. Isso poderia acelerar o processamento de informações.

A equipe também encontrou uma relação direta entre a quantidade de dobras e o número de anos durante os quais a pessoa meditou.

Isso pode talvez ser mais uma prova da neuroplasticidade do cérebro – a habilidade do órgão de se alterar, ou se adaptar, em resposta a estímulos externos.

11095469
Córtex
O córtex é a camada externa do cérebro e tem papel fundamental na memória, atenção, pensamento e consciência.

Os dobramentos corticais são o processo pelo qual a superfície do cérebro se altera para criar sulcos e dobras. Sua formação pode promover e melhorar os processos nervosos.

Presume-se, portanto, que quanto mais dobras se formam, maior a capacidade do cérebro de processar informações, tomar decisões e formar memórias.

“Em vez de simplesmente comparar pessoas que meditam com as que não meditam, queríamos ver se havia uma relação entre a quantidade de prática da meditação e o grau de alteração do cérebro”, disse Luders. “Quer dizer, associar o número de anos de meditação com a incidência das dobras”.

Testes
Os pesquisadores fizeram exames de ressonância magnética em 50 praticantes de meditação – 28 homens e 22 mulheres. Esse grupo foi comparado a outro, de não praticantes, com idade e sexo equivalentes.

Os praticantes haviam meditado em média 20 anos. Os tipos de meditação eram variados, entre eles, Zen e Vipassana.

A equipe disse ter encontrado grandes diferenças na incidência das dobras em participantes que praticavam meditação.

Para os pesquisadores, a revelação mais interessante foi a correlação positiva entre o número de anos de meditação e a quantidade de dobras, especialmente em uma estrutura do cérebro conhecida como ínsula.

Sabe-se que essa estrutura está associada às emoções humanas. E que lesões na ínsula podem resultar em apatia, perda de libido e alterações na memória.

“Talvez (a descoberta) mais interessante tenha sido a relação positiva entre o número de anos de meditação e a quantidade de dobramentos insulares”.

Emoção e raciocínio
Luders mencionou estudos anteriores que indicam que a ínsula funcionaria como um integrador entre a emoção e o raciocínio.

“Pessoas que meditam são conhecidas por serem mestras em introspecção e consciência, assim como em controle emocional e autorregulação, então os resultados fazem sentido – quanto mais tempo alguém medita, maior a a incidência das dobras na ínsula”.

Luders adverte que fatores genéticos e ambientais podem ter contribuído para os efeitos observados.

Ainda assim, “a relação positiva entre as dobras e o número de anos de prática dá suporte à ideia de que a meditação aumenta a incidência das dobras”.

(Via: BBC)
Despertar Coletivo

 

dna-child

Genes estrangeiros: Cientistas descobrem que parte do DNA não vem de qualquer antepassado conhecido

Você já ouviu falar da transferência horizontal de genes (THG)? É um processo em que um organismo transfere material genético para outra célula que não é sua descendente.

Essa ideia é contraditória com o nosso velho modelo de evolução, que afirmava que as espécies só iriam evoluir a partir da transferência vertical, que ocorre quando um organismo recebe material genético do seu antecessor, como dos pais ou de uma espécie a partir da qual evoluiu.

Árvore filogenética mostrando altas taxas de transferência horizontal de genes entre organismos.

A maior parte da investigação em genética tem focado na mais prevalente transferência vertical, mas, recentemente há uma percepção maior que a transferência horizontal de genes é um fenômeno significativo.

No estudo realizado pela BioMed Central, pesquisadores relatam que nós humanos temos genes “estrangeiros” – que não foram passados por nossos ancestrais – e propõe que estes teriam sido adquiridos de microrganismos que coabitaram o mesmo ambiente que o nosso em um passado remoto.

O principal responsável pela pesquisa Alastair Crisp, da Universidade de Cambridge, disse: “Este é o primeiro estudo a mostrar quão amplamente a transferência horizontal de genes (THG) ocorre em animais, incluindo seres humanos, dando origem a dezenas ou centenas de genes ativos “estrangeiros“. Surpreendentemente, longe de ser uma ocorrência rara, parece que a THG tem contribuído para a evolução de muitos – talvez todos – os animais e que o processo está em curso, o que significa que poderemos ter de reavaliar a forma como pensamos sobre a evolução.”

Os pesquisadores estudaram os genomas de 12 espécies de Drosophila, quatro espécies de vermes nematoide, e 10 espécies de primatas, incluindo humanos. Eles calcularam quão bem se alinhava cada um de seus genes com os genes similares de outras espécies para estimar a probabilidade de que eles fossem de origem estrangeira. Em comparação com outros grupos de espécies foram capazes de estimar a data provável em que os genes foram adquiridos.

Confirmou-se que vários genes tinham sido adquiridos através da THG. Em seres humanos, verificou-se que 17 genes foram adquiridos por transferência horizontal, e outros 128 genes externos que até agora não tinham sido detectados a origem.

Isso aponta para a possibilidade de algo inusitado ter ocorrido em nossa evolução, talvez algo um pouco mais “alienígena”. Será que em algum momento de nossa história aconteceu alguma manipulação genética? O que você pensa sobre isso?

(Traduzido e adaptado por Despertar Coletivo | Via: The Spirit Science)